Avançar para o conteúdo principal

COVID-19: REGIME DE TELETRABALHO E SUBSÍDIO DE ALIMENTAÇÃO

Milhares de trabalhadores estão neste momento em casa oferecendo a sua prestação de trabalho em regime de teletrabalho. Nestas circunstâncias, uma pergunta recorrente é se lhe será devido o subsídio de refeição, como se estivessem a trabalhar na empresa.

O subsídio de refeição não tem natureza retributiva, já que visa compensar o trabalhador de uma despesa em que ele incorre quando presta a sua atividade fora de casa. No entanto, por vezes, o montante em causa excede as despesas com a alimentação do trabalhador. Nestas situações, havendo excesso, considera-se que a diferença tem natureza retributiva e, portanto, não poderá ser retirado sem o acordo do trabalhador, pelo que terá sempre que ser pago.

Nas restantes situações, em que há uma coincidência ou razoabilidade entre a despesa e o subsídio fixado, há quem entenda que, nas atuais circunstâncias, o mesmo não é devido, já que o trabalho é exercido em casa.

Nós entendemos o contrário.

Normalmente, o teletrabalho não é obrigatório para nenhuma das partes. Mas, neste momento, quer por via das medidas excecionais impostas pelo DL 10-A/2020 de 13 de março, quer, mais recentemente, pelo disposto do artigo 6.º, DL 2-A/2020 de 20 de março, passou a sê-lo, sempre que as funções em causa o permitam e mesmo que o empregador ou o trabalhador não o pretendam (desde que, no critério do empregador, existam as necessárias condições técnicas necessárias, a função exercida o permita, e o trabalhador tenha essa capacidade, autonomia e formação técnica). Sendo também relevante que o legislador não impôs o teletrabalho para poupar recursos à empresa, para benefeciar o trabalhador, nem por ter em consideração nenhuma outra vantagem ou desvantagem económica ou jurídica associada, mas, exclusivamente, pelo interesse público em evitar a propagação do vírus. Pelo que há que interpretar esta nova situação de teletrabalho à luz do princípio da urgência e da excecionalidade e não como uma situação normal. Este carácter de obrigatoriedade, associado à proibição de tratar de maneira diferente os trabalhadores que se encontram em regime de teletrabalho, relativamente aos que não estão, assim como o caráter temporário da imposição, conduz, em nosso entendimento, e enquanto durar a medida excecional, à obrigatoriedade do pagamento do subsídio de refeição.

Acresce que o argumento de que o trabalhador está em casa e, portanto, não tem despesas de alimentação, não leva em linha de conta os tempos de exceção que estamos viver. Basta pensarmos que nenhuma dúvida existirá quanto à obrigatoriedade de pagamento do subsídio de refeição quanto aos trabalhadores que prestam a sua atividade na empresa, mas que levam comida de casa seja por razões sanitárias, necessidade, ou porque todos os restaurantes estão com atividade suspensa. Se nesses casos é pago o subsídio de alimentação, também na situação em que o trabalhador está em regime involuntário de teletrabalho o mesmo será devido.

Referências: Código do Trabalho artigos 165.º, 169.º e 260.º/2.

POPULAR

COVID-19: LAY-OFF SIMPLIFICADO

Foi publicada uma terceira versão do regime do Lay-off simplificado . O objetivo desta nova alteração foi abrir a mais empresas que as inicialmente previstas a possibilidade de poderem reduzir unilateralmente o período normal de trabalho ou a suspensão dos contratos de trabalho, com consequente redução da remuneração e apoio no seu pagamento, associadas a uma isenção da TSU, no limite máximo de 3 meses incluindo prorrogações, assim como um incentivo financeiro extraordinário no montante de €635 por trabalhador. Situação de crise empresarial Passam assim agora a poder beneficiar destas medidas de apoio não só i) as empresas que viram os seus estabelecimentos total ou parcialmente encerrados administrativamente em consequência da declaração do estado de emergência; como também ii) as empresas que tiveram que o fazer, por causa de interrupção das cadeias de abastecimento ou suspensão do cancelamento de encomendas, perspetivando reduzir em 40% a sua capacidade de produção ou ocupação no

TRIBUNAL CONSTITUCIONAL DECLARA INCONSTITUCIONALIDADE DO DIREITO DE PREFERÊNCIA DOS INQUILINOS RELATIVO A PARTES DE PRÉDIOS NÃO CONSTITUÍDOS EM PH

Dispunha o artigo 1091.º, n.º 8 do Código Civil que “ no caso de contrato de arrendamento para fins habitacionais relativo a parte de prédio não constituído em propriedade horizontal, o arrendatário tem direito de preferência nos mesmos termos previstos para o arrendatário de fração autónoma, a exercer nas seguintes condições: a) O direito é relativo à quota-parte do prédio correspondente à permilagem do locado pelo valor proporcional dessa quota-parte face ao valor total da transmissão; b) A comunicação prevista no n.º 1 do artigo 416.º deve indicar os valores referidos na alínea anterior; c) A aquisição pelo preferente é efetuada com afetação do uso exclusivo da quota-parte do prédio a que corresponde o locado. ” O Tribunal Constitucional, por Acórdão datado de 16 de junho de 2020, publicado em Diário da República em 18 de setembro de 2020, declarou, com força obrigatória geral, a inconstitucionalidade da referida norma do Código Civil, por violação do n.º 1 do artigo 62.º, em conjug

COVID-19: PRAZOS E DILIGÊNCIAS PROCESSUAIS

Entrou hoje em vigor, a Lei nº 1-A/2020, publicada em 3.º suplemento ao Diário da República de 19 de Março, que estabelece “medidas excecionais e temporárias de resposta à situação epidemiológica provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2 e da doença COVID-19." O referido diploma aprovado pela Assembleia da República, tem como escopo a ratificação e aprovação de um conjunto de medidas excecionais e temporárias de resposta à situação epidemiológica provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, agente causador da doença COVID-19. Deixamos aqui, uma nota meramente informativa das medidas que se referem aos atos processuais e procedimentais que devam ser praticados, durante o período da pandemia que está a afetar a nossa sociedade. Aplicação do regime das férias judiciais Estabelece o nº 1 do artigo 7º da Lei nº 1-A/2020, que aos atos processuais e procedimentais que devam ser praticados no âmbito dos processos e procedimentos, que corram termos nos Tribunais Judiciais, Tribunais Administrat